Brainstorming reverso

Por
Tiago Rodrigo
&
Postado em
1/3/2021

Já pensou se, em vez de buscar soluções, você explorasse formas de... criar ou agravar um problema?

Brainstorming é um método popularmente usado para levantar ideias, a fim de discutir um assunto e os desafios para resolvê-lo. Criado em 1939 pelo publicitário e escritor americano Alex Osborn (1888-1966), ele encoraja a criatividade dos participantes, que devem deixar sua imaginação correr livremente.

Durante sua realização, não é permitido criticar ou julgar oque for dito, para que não haja obstáculos à concepção de novas abordagens. Todas as ideias, portanto, são bem-vindas, inclusive aquelas que pareçam (ao menos inicialmente)extravagantes, pois, segundo Osborn:

“É mais fácil ajustar uma ideia absurda do que criar uma nova.” ¹

Este método tem início com uma questão clara, e finaliza com uma lista de ideias “cruas” para respondê-la. Algumas delas serão boas, outras nem tanto. O importante é que a etapa de análise aconteça somente em um momento posterior, quando o grupo poderá utilizar outras ferramentas – como diagramas de afinidade, por exemplo – para refinamento.

Uma vez que nosso cérebro trabalha de maneira associativa ao procurar soluções, esta técnica é vantajosa justamente por incentivar a conexão entre elementos distintos.

Apesar disso, o processo todo pode ser por vezes difícil,seja porque os participantes não estão confortáveis o bastante para contribuir com sugestões, ou porque o problema é complexo, ou mesmo porque é algo novo e não há nenhuma solução ou caminho trilhado anteriormente.

 

Que tal inverter tudo?

Foi com base nessas dificuldades que surgiu o brainstorming reverso. Este método traz uma nova perspectiva, propondo problemas em vez de soluções. A ideia é que um grupo que não esteja confiante a respeito de um projeto ou tenha esgotado suas ideias muito rapidamente possa inverter o ponto de discussão, pensando em maneiras de irritar, frustrar ou impedir que o cliente obtenha os resultados desejados.

Por exemplo:

Imagine que você e seu grupo estão trabalhando em um programa de fidelidade voltado ao público de alta renda. Porém, após poucos minutos de brainstorming,vocês começam a ter dificuldade em levantar ideias para que o produto seja diferente dos outros disponíveis no mercado. A fim de dar continuidade à sessão,vocês mudam a abordagem utilizando o brainstorming reverso, fazendo-se perguntas sobre como causar o problema ou forçar que o programa dê errado, dentre elas:

Como podemos garantir que ninguém se cadastre em nosso programa?
Como reduzir o número de membros?
Como impedir que os usuários resgatem seus prêmios?

Perguntas assim podem gerar respostas como:

- Obrigar os novos membros a ler um contrato enorme e clicar em “Li e aceito os termos” a cada página;

- Tornar o processo de login difícil ou instável (conexão derrubada a cada 2 minutos de inatividade);

- Solicitar muitas informações pessoais, inclusive as que não têm relação direta com o serviço oferecido;

- Esconder informações relevantes em páginas adicionais ou que só possam ser acessadas quando a pessoa clicar em“Mais informações”;

- Tornar as regras de utilização de pontos confusas e ambíguas;

- Incluir e exibir custos adicionais apenas na finalização do resgate

e assim por diante.

Sob este novo ângulo de interpretação, a busca por soluções pode se tornar mais simples e intuitiva, fazendo com que o grupo tenha um novo ímpeto de participação. Ademais, e devido à grande possibilidade de que a sessão se torne mais divertida – algumas sugestões de resposta sempre acabam sendo hilárias –, as pessoas podem se sentir mais confortáveis e abertas para opinar.A técnica também funciona bem com grupos que estão encarando problemas antigos,que fazem parte do adágio corporativo do “sempre foi assim” e que, por isso,precisam de trilhas alternativas.

Da mesma forma que o brainstorming “tradicional”,durante as sessões do reverso não são permitidas críticas ou julgamentos e a abundância de ideias deve ser incentivada. Como atividade inicial, no entanto,sugiro que o(a) facilitador(a) faça um exercício com uma pergunta/problema não relacionada ao tema central da discussão, a fim de que todos se familiarizem com o processo.

Posteriormente, deve-se conduzir uma nova sessão (pode ser no mesmo dia, após um intervalo) para “converter” os problemas de volta para soluções. Cada problema pode gerar mais de uma solução.

Por exemplo:

 

1. Problema:

Obrigar os novos membros a ler um contrato enorme e clicarem “Li e aceito os termos” a cada página.

Propostas de solução:

Otimizar o contrato para que ele traga os termos específicos da prestação de serviços, sem tentar cobrir cada particularidade e especificidade que porventura possa ocorrer.

Simplificar os termos de aceite com linguagem clara e objetiva.

Utilizar um processo de coleta eletrônica de assinaturas, evitando-se assim impressão e digitalização de documentos.

2. Problema:

Tornar o processo de login difícil ou instável(conexão derrubada a cada 2 minutos de inatividade).

Propostas de solução:

Oferecer single sign-on,caso a solução seja corporativa.

Habilitar o cadastro da digital para acesso à área do cliente.

3. Problema:

Incluir e exibir custos adicionais apenas na finalização do resgate.

Propostas de solução:

Exibir o custo total de resgate em pontos logo que usuário clicar em um produto.

Recalcular automaticamente o total de pontos necessários para o resgate a cada produto incluído ou excluído do carrinho.

 

Etapas de implantação:

          1. Comece com uma questão clara a ser resolvida

Identifique a questão central a ser discutida, descreva-a e anote-a em um flipchart, destacada e visível para todos os participantes.

           2. Pense em como torná-la um problema

Não pergunte como o problema pode ser resolvido, mas sim o que pode causá-lo ou torná-lo ainda pior. Dessa forma, é possível obter vantagens do fato de que as pessoas tendem a focar mais no problema do que na solução, aumentando assim o número de ideias compartilhadas.

           3. Colete ideias

Ouça e anote as ideias, inclusive as que parecerem absurdas, sem permitir críticas ou julgamentos. Quanto mais contribuições, melhor. E não se preocupe, pois haverá tempo para avaliá-las refiná-las posteriormente.

           4.Converta as ideias em soluções

Em um encontro seguinte (ou após um intervalo) converta as ideias levantadas no passo anterior em soluções. Nesta etapa, diversas formas de responder à questão inicial já estarão mais claras ou poderão ser mais facilmente identificadas.

           5. Avalie as soluções

Combine as ideais, avalie e faça os devidos ajustes – vale usar ferramentas novas, como um diagrama de afinidade – para que o grupo descubra, junto, que realmente pode ser transformada em uma solução efetiva.

 

Fatores de sucesso para aplicação deste método: a facilitação, pois a pessoa à frente do brainstorming reverso precisa de habilidade para manter o fluxo de ideias do grupo constante; e atenção exclusiva, visto que será necessário ter uma sessão ou momento extra para transformar os problemas em soluções novamente.

Agora é sua vez de colocar em prática!

 

Saiba mais em:

Ducere Global Business School. (2018) 4 ways to improve your brainstorming.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HRWt1rBG10o.

ELMANSY, Rafiq. (2015) Design Thinking tools: reverse brainstorming.

Disponível em: https://www.designorate.com/design-thinking-tools-reverse-brainstorming/.

MULDER,Patty. (2018) Reverse Brainstorming.

Disponível em: https://www.toolshero.com/creativity/reverse-brainstorming/.

WILSON,Chaunsey. (2011) 100 User Experience (UX) design and evaluation methods for yourtoolkit.

Disponível em: https://dux.typepad.com/dux/2011/01/this-is-the-fourth-in-a-series-of-100-short-articles-about-ux-design-and-evaluation-methods-todays-method-is-called-rever.html.

           

[1] Tradução livre. No original: “It is easier to tone down a wild idea than to think up a new one.”

Tiago Rodrigo

Entusiasta de frameworks ágeis, Kanban e Trello - mas, acima de tudo, do protagonismo e do encontro de cada um com seu propósito. Economista Comportamental dedicado a esta ciência multidisciplinar na construção de modelos que facilitem e simplifiquem a tomada de decisão em diversos contextos.

POSTS RELACIONADOS

Os relógios

SAIBA MAIS

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

SAIBA MAIS

Roupa no varal

SAIBA MAIS

ÚLTIMOS POSTS

Os relógios

Houve um tempo que o sol marcava as horas e juntamente com a natureza, marcava os ciclos da vida. Houve um tempo quando os relógios eram de bolso, presos às roupas por lindas correntes de ouro ou prata e usados por elegantes senhores de ternos escuros e chapéus (...)

Por
Sonia Barros
&
1/3/2021

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

No sentido da palavra, poder e gestão são muito semelhantes. Eu diria que são sinônimas uma da outra, pois quando pensamos na palavra gestão, logo nos vem à cabeça cargos de gerência, diretoria, presidência, que são os chamados “cargos de confiança” e, a eles associamos automaticamente, a prática de quem manda, de quem determina (...)

Por
Edjane Silva
&
1/3/2021
NOSSA ESSÊNCIA

Há mais de 10 anos acreditando na singularidade do desenho de construção individual como instrumento da Revolução Humana.

Saiba mais