Sobre flechas, mandalas e tapetes

Por
Sonia Barros
&
Postado em
1/3/2021

Não faz muito tempo que presenciei algo bem interessante quando estava sentada numa praça de uma cidade do interior de São Paulo.

Eram três rapazes, entre 16 e 18 anos, que após comerem seus lanches, resolveram fazer bolas de papel com a embalagem e jogar basketball no cesto de lixo da praça.

O primeiro errou e disse: "Ah! Mas este cesto de lixo tem a boca pequena!"

O segundo acertou e celebrou com pulos de alegria.

E o último rapaz também não encestou e disse que tinha errado porque a bola era leve. Eu, sentada lá por perto, pensei no ditado árabe que um dia ouvira: "Quando o arqueiro erra o alvo, não deve culpar a flecha, mas sim, melhorar sua pontaria".

Naquele momento eu vi a "bola flecha" e o "cesto flecha"!

Podemos e devemos continuamente melhorar nossa "pontaria" (performance / desempenho /  entrega), concordam?

Podemos nos questionar sobre o que fazemos e como fazemos o que fazemos, e pensar em como melhorar, através de várias ações como estudos, pesquisas, leituras, conversas...

Dar sempre o melhor de nós é algo muito importante, assim como fazer tudo com o coração, tendo em mente que pessoas que sabem mais ou menos do que nós também existem, nos dando a chance de aprender e ensinar.

No livro “Mandalas 0 formas que representam a harmonia do cosmos e a energia divina”, de Rüdiger Dahlke, há uma linda reflexão sobre a perfeição.

Dr. Dahlke, um médico, nos ensina que é tradição entre os índios inserir intencionalmente pequenas falhas nas suas mandalas, já que a perfeição só cabe a Deus.

Segundo ele, as tapeceiras turcas também têm a "falha intencional", como ele as chama, em suas peças, pela mesma razão.

Dr. Dahlke ainda nos ensina que "uma "falha" é algo que falta e, assim, os índios e os turcos são mais fiéis à significação original; com o seu gesto, mostram que falta

algo às suas criações, pois a perfeição eles só veem em Deus.

Grande exercício de humildade!

Talvez, em nossos meios tão competitivos, essa "falha intencional" seja algo impensável ou inadmissível/descabido.

Bem, fica aqui um convite à reflexão sobre a perfeição, que começou com arqueiros e acabou com índios, tapeceiras e humildade.

Sonia Barros

Intenciona levar as pessoas a repensarem as crenças relacionadas ao aprendizado que as limitam nesta caminhada, fazendo-as notar cada passo dado rumo à mudança e ao crescimento.

POSTS RELACIONADOS

Os relógios

SAIBA MAIS

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

SAIBA MAIS

Roupa no varal

SAIBA MAIS

ÚLTIMOS POSTS

Os relógios

Houve um tempo que o sol marcava as horas e juntamente com a natureza, marcava os ciclos da vida. Houve um tempo quando os relógios eram de bolso, presos às roupas por lindas correntes de ouro ou prata e usados por elegantes senhores de ternos escuros e chapéus (...)

Por
Sonia Barros
&
1/3/2021

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

No sentido da palavra, poder e gestão são muito semelhantes. Eu diria que são sinônimas uma da outra, pois quando pensamos na palavra gestão, logo nos vem à cabeça cargos de gerência, diretoria, presidência, que são os chamados “cargos de confiança” e, a eles associamos automaticamente, a prática de quem manda, de quem determina (...)

Por
Edjane Silva
&
1/3/2021
NOSSA ESSÊNCIA

Há mais de 10 anos acreditando na singularidade do desenho de construção individual como instrumento da Revolução Humana.

Saiba mais