Saúde emocional começa com diálogo na infância

Por
Izabela Mioto
&
Postado em
1/3/2021

Atualmente, a vida tem nos condicionado a ficar por muito tempo com a sensação de estarmos em um trem bala. Temos muito mais coisas para fazer do que tempo hábil e, por vezes, não vemos o tempo passar, com aquela sensação de estamos no modo “piloto automático” e com certa dificuldade de termos uma boa qualidade de presença.

E as nossas crianças, convivendo com adultos que se apresentam dessa forma, como ficam? Muito tempo no celular, no videogame ou no computador e pouco diálogo com os pais ou outros adultos que a cercam pode trazer prejuízos a sua saúde emocional. Por isso, devemos abrir esses espaços de “prosa” com nossos pequeninos.

Meu filho chega da escola e diz que está com raiva do amiguinho. Eu tenho várias maneiras de lidar com isso e a mais comum é dizendo o quanto é feio sentir raiva e simplesmente interromper o assunto. O adequado seria não julgar a fala dele, dedicar um tempo de qualidade para compreender os motivos pelos quais ele apresenta esse sentimento. Abrir esse espaço faz com que ele possa se organizar emocionalmente, extravasar a emoção negativa, tirando de dentro de si toda essa raiva. Todos nós sentimos raiva, medo, frustração e ao não falarmos sobre isso, esses sentimentos vão acumulando dentro da gente e, quando saem, apresentam-se de maneira descontrolada e inconsciente. Heloisa Capelas, em seu livro, “O mapa da felicidade”, apoiada na teoria de Bob Hoffman, explica que desde criança vamos acumulando essas raivas, que se transformam em mágoas e quando adultos, bastam simples acontecimentos para que elas venham à tona.

Tendo a consciência de abrir espaço para a expressão do sentimento da criança, criamos um caminho para que ela também compreenda e organize suas emoções. Fazer perguntas de compreensão é uma excelente estratégia, apenas precisamos tomar cuidado para não fazermos perguntas de julgamento ou ameaças do tipo:

você não percebe o quanto é feio pensar assim?”;
“o que pode acontecer com você se a professora souber disso?”.

Agindo dessa forma, de maneira natural, criamos confiança para que nossas crianças expressem seus sentimentos, não acumulem raivas ou emoções negativas, potencializando mais saúde emocional para os nossos Capitães do Amanhã!

Izabela Mioto

Intenciona todos os dias comunicar a luz que enxerga em cada pessoa para ajudá-la a trazer à tona o seu potencial para si e para o mundo. Desbrava caminhos, pensa em soluções diferenciadas, com a intenção de ajudar na transformação de pessoas e contextos.

POSTS RELACIONADOS

Os relógios

SAIBA MAIS

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

SAIBA MAIS

Roupa no varal

SAIBA MAIS

ÚLTIMOS POSTS

Os relógios

Houve um tempo que o sol marcava as horas e juntamente com a natureza, marcava os ciclos da vida. Houve um tempo quando os relógios eram de bolso, presos às roupas por lindas correntes de ouro ou prata e usados por elegantes senhores de ternos escuros e chapéus (...)

Por
Sonia Barros
&
1/3/2021

A responsabilidade do poder no contexto da gestão.

No sentido da palavra, poder e gestão são muito semelhantes. Eu diria que são sinônimas uma da outra, pois quando pensamos na palavra gestão, logo nos vem à cabeça cargos de gerência, diretoria, presidência, que são os chamados “cargos de confiança” e, a eles associamos automaticamente, a prática de quem manda, de quem determina (...)

Por
Edjane Silva
&
1/3/2021
NOSSA ESSÊNCIA

Há mais de 10 anos acreditando na singularidade do desenho de construção individual como instrumento da Revolução Humana.

Saiba mais