Esquecimento

Por
Sonia Barros
&
Postado em
23/11/2021

Era domingo e ter mais tempo livre fez com que eu fosse para o jardim, “fazer nada”.

Mas para mim, este “fazer nada” significa estar lá com os olhos de ver o belo, mas mais do que ver, sentir o belo e deixá-lo entrar em mim.

Sim! Quando estamos abertos para o belo, sem medos, sem julgamentos, o belo se faz presente em suas infinitas formas

Nestes momentos, em meu silêncio interior, aprendo sobre as cores em todas as suas nuances, observando e absorvendo as flores, as folhas, as árvores...a vida!

Além da aula sobre as cores, há a aula sobre a velocidade, pois o tempo entre o plantio e a flor é variável em todas as espécies! A velocidade da lesma comparada à da formiga faz esta lição ser muito fácil de ser aprendida.

Observar as abelhas e as vespas trabalhando incessantemente, de flor em flor para que tenhamos frutos é a lição sobre “termos asas para voar e produzirmos nossos frutos”!

Adoro as lições sobre as formas, pois há lindas mandalas nelas! Vale destacar que só no meu jardim encontro muitos adjetivos, como frágil, forte, longo, curto, fino, grosso, alto, baixo, velho, novo, retilíneo, curvilíneo, arredondado, triangular... Imagine o que podemos ver em uma floresta!

O jardim ainda me conta segredos sobre cheiros e perfumes, quando me lembro que muitos fogem da Maria Fedida e se encantam com os perfumes dos lírios, dos jasmins e de outras flores.

Seguir o canto dos pássaros, notar o zumbido de um inseto, ouvir o farfalhar das folhas ao vento e virar o corpo rapidamente ao som de uma grande folha que cai, nos ensina sobre o silêncio e os sons. Os sons das manhãs são totalmente diferentes dos sons da noite, que muitas vezes são misteriosos.

Há muito mais no meu jardim, mas o lindo de tudo isto é observar a PERFEIÇÃO DA NATUREZA, em todas as suas formas, em todos os seus reinos e nos lembrarmos que “somos” natureza, e temos a nossa diversidade.

“Esquecemos o que as pedras, as plantas e os animais ainda sabem. Esquecemos como ser – ser calmos, ser nós mesmos, estar onde a vida está: Aqui e Agora.”  Eckhart Tolle em O Poder do Silêncio.

E mesmo que não estejamos sós nestes momentos, cada um vai ver com os olhos que tem, e está tudo certo! Um dia todos veremos o formato das folhas da planta chamada “Coração emaranhado” e sorriremos diante da sua delicadeza, nos lembrando que “Há um grande silêncio envolvendo toda a natureza num abraço. Esse silêncio também envolve você!” Eckhart Tolle em O Poder do Silêncio.

Sonia Barros

Intenciona levar as pessoas a repensarem as crenças relacionadas ao aprendizado que as limitam nesta caminhada, fazendo-as notar cada passo dado rumo à mudança e ao crescimento.

POSTS RELACIONADOS

A massa do pão

SAIBA MAIS

Feliz Eu Novo

SAIBA MAIS

Esquecimento

SAIBA MAIS

ÚLTIMOS POSTS

A massa do pão

Quando minha filha mais velha era pequena nós fazíamos pãezinhos juntas. Ela “me ajudava!”Hoje não os faço mais porque a vida mudou de rumo, mas a lembrança daqueles momentos de ternura veio me visitar e vejo as minhas mãos e as mãozinhas dela dando forma aos pequenos pedaços da massa, pondo as bolinhas que “deveriam ser de tamanhos semelhantes” na assadeira, respeitando as distâncias entre elas e cuidando do tempo de crescimento (...)

Por
Sonia Barros
&
1/3/2021

Feliz Eu Novo

Estava no mercado fazendo algumas compras para a celebração de fim de ano, quando um colega passou feito um foguete e bradou: - Feliz ano novo! Respondi às felicitações com um sorriso percebido pelo olhar, mas escondido pela máscara. Trocamos algumas palavras e, ao se despedir, ele disse: - Os anos tem sido tão cruéis que espero que o próximo ano nos traga coisas boas. Esta frase ficou em minha cabeça (...)

Por
Rodrigo Pinto
&
9/2/2022
NOSSA ESSÊNCIA

Há mais de 10 anos acreditando na singularidade do desenho de construção individual como instrumento da Revolução Humana.

Saiba mais

ÚLTIMOS POSTS

A massa do pão

Quando minha filha mais velha era pequena nós fazíamos pãezinhos juntas. Ela “me ajudava!”Hoje não os faço mais porque a vida mudou de rumo, mas a lembrança daqueles momentos de ternura veio me visitar e vejo as minhas mãos e as mãozinhas dela dando forma aos pequenos pedaços da massa, pondo as bolinhas que “deveriam ser de tamanhos semelhantes” na assadeira, respeitando as distâncias entre elas e cuidando do tempo de crescimento (...)

Por
Sonia Barros
&
25/5/2022

Feliz Eu Novo

Estava no mercado fazendo algumas compras para a celebração de fim de ano, quando um colega passou feito um foguete e bradou: - Feliz ano novo! Respondi às felicitações com um sorriso percebido pelo olhar, mas escondido pela máscara. Trocamos algumas palavras e, ao se despedir, ele disse: - Os anos tem sido tão cruéis que espero que o próximo ano nos traga coisas boas. Esta frase ficou em minha cabeça (...)

Por
Rodrigo Pinto
&
25/5/2022