A massa do pão

Por
Sonia Barros
&
Postado em
25/5/2022

Quando minha filha mais velha era pequena nós fazíamos pãezinhos juntas. Ela “me ajudava!”

Hoje não os faço mais porque a vida mudou de rumo, mas a lembrança daqueles momentos de ternura veio me visitar e vejo as minhas mãos e as mãozinhas dela dando forma aos pequenos pedaços da massa, pondo as bolinhas que “deveriam ser de tamanhos semelhantes” na assadeira, respeitando as distâncias entre elas e cuidando do tempo de crescimento.

Depois disto tudo feito, eu lhe dava a importante função de me avisar quando a pequenina bolinha de massa posta no copo com água subisse! Notícia que me era dada com a alegria e a simplicidade de uma criança: “Mamãe! A bolinha já subiu!”, me pegando pela mão e me levando até a cozinha para ver a bolinha no alto do copo, como se tudo fosse mágico.

Claro que alguns pãezinhos eram comidos ainda mornos, com a manteiga derretendo, e outros eram guardados para o papai!

Sim! As coisas simples são as melhores!

“Crescer!” palavra interessante!

O pãozinho cresceu, a filha cresceu, veio a segunda filha que também cresceu, eu cresci, e nossos relacionamentos cresceram.

Mas “tudo” aquilo que recebe nossa atenção, nossa energia, e nosso amor, cresce!  As coisas boas e as coisas ruins também!

Pãezinhos, pessoas, amizades, relacionamentos, conhecimento, plantas, animais... e ainda o amor, a alegria, a raiva, a dor, a tristeza, o medo...Tudo!

Então alimentar somente o que é bom para nós faz muito sentido!  E o momento certo para começarmos a fazer isto é “agora”, para que a alegria, o amor e tudo de bom, belo e bonito cresça como os pãezinhos e permaneça vívido em nós.

Sonia Barros

Intenciona levar as pessoas a repensarem as crenças relacionadas ao aprendizado que as limitam nesta caminhada, fazendo-as notar cada passo dado rumo à mudança e ao crescimento.

POSTS RELACIONADOS

A massa do pão

SAIBA MAIS

Feliz Eu Novo

SAIBA MAIS

Esquecimento

SAIBA MAIS

ÚLTIMOS POSTS

Feliz Eu Novo

Estava no mercado fazendo algumas compras para a celebração de fim de ano, quando um colega passou feito um foguete e bradou: - Feliz ano novo! Respondi às felicitações com um sorriso percebido pelo olhar, mas escondido pela máscara. Trocamos algumas palavras e, ao se despedir, ele disse: - Os anos tem sido tão cruéis que espero que o próximo ano nos traga coisas boas. Esta frase ficou em minha cabeça (...)

Por
Rodrigo Pinto
&
9/2/2022

Esquecimento

Era domingo e ter mais tempo livre fez com que eu fosse para o jardim, “fazer nada”. Mas para mim, este “fazer nada” significa estar lá com os olhos de ver o belo, mas mais do que ver, sentir o belo e deixar-lo entrar em mim. (...)

Por
Sonia Barros
&
1/3/2021
NOSSA ESSÊNCIA

Há mais de 10 anos acreditando na singularidade do desenho de construção individual como instrumento da Revolução Humana.

Saiba mais

ÚLTIMOS POSTS

A massa do pão

Quando minha filha mais velha era pequena nós fazíamos pãezinhos juntas. Ela “me ajudava!”Hoje não os faço mais porque a vida mudou de rumo, mas a lembrança daqueles momentos de ternura veio me visitar e vejo as minhas mãos e as mãozinhas dela dando forma aos pequenos pedaços da massa, pondo as bolinhas que “deveriam ser de tamanhos semelhantes” na assadeira, respeitando as distâncias entre elas e cuidando do tempo de crescimento (...)

Por
Sonia Barros
&
25/5/2022

Feliz Eu Novo

Estava no mercado fazendo algumas compras para a celebração de fim de ano, quando um colega passou feito um foguete e bradou: - Feliz ano novo! Respondi às felicitações com um sorriso percebido pelo olhar, mas escondido pela máscara. Trocamos algumas palavras e, ao se despedir, ele disse: - Os anos tem sido tão cruéis que espero que o próximo ano nos traga coisas boas. Esta frase ficou em minha cabeça (...)

Por
Rodrigo Pinto
&
25/5/2022